BLOGGER TEMPLATES - TWITTER BACKGROUNDS »

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

(...) Descobri que minha obsessão por cada coisa em no seu lugar, cada assunto no seu tempo, cada palavra no seu estilo, não era o prêmio merecido de uma mente em ordem mas, pelo contrário, um sistema completo de simulação inventado por mim para ocultar a desordem da minha natureza. Descobri que não sou disciplinado por virtude, mas como reação contra a minha negligência; que pareço generoso para encobrir a minha mesquinhez, que me faço passar por prudente quando na verdade sou desconfiado e sempre penso o pior, que sou conciliador para não sucumbir às minhas cóleras reprimidas, que só sou pontual para que não saibam como pouco me importa o tempo alheio. Descobri, enfim, que o amor não é um estado de alma mas um signo do zodíaco.

Gabriel García Marquez, in 'Memória das Minhas Putas Tristes'

terça-feira, 1 de novembro de 2011


Paciência

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não para...

Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara...

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

Será que é tempo
Que lhe falta para perceber?
Será que temos esse tempo
Para perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não para
A vida não para não...

Será que é tempo
Que lhe falta para perceber?
Será que temos esse tempo
Para perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não para
A vida não para...

A vida não para...

Lenine

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Quase lá...


Tudo bem se não deu certo
Eu achei que nós chegamos tão perto
Mas agora com certeza eu enxergo
Que no fim eu amei por nós dois

Esse foi um beijo de despedida
Que se dá uma vez só na vida
Explica tudo, sem brigas
E clareia o mais escuro dos dias

domingo, 25 de setembro de 2011


É raro que, na vida real, possamos ter o melhor de dois mundos, ficar com a lenha e se aquecer com o fogo. Quase sempre é preciso escolher. Com o tempo, a gente se acostuma a abrir mão de algumas coisas em favor de outras. Até aprende a conviver com a possibilidade de ter feito a escolha errada. Afinal, a dúvida é o preço da pureza. No fim das contas, é isso que nós somos: as escolhas que fazemos. O destino, este brincalhão, às vezes nos leva a escolher as coisas mais distantes. Depois, nos mostra que o tesouro estava o tempo inteiro ao nosso lado. A gente vive cruzando o rio atrás de água, né? Dobramos a bainha das calças e caminhamos milhas e milhas atrás da água que já estava ali, desde o início, molhando nossos pés.

- H. Gessinger

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Campo Geral

"Todos os dias que depois vieram, eram tempo de doer. Miguilim tinha sido arrancado de uma porção de coisas, e estava no mesmo lugar. Quando chegava o poder de chorar, era até bom – enquanto estava chorando, parecia que a alma toda se sacudia, misturando ao vivo todas as lembranças, as mais novas e as muito antigas. Mas, no mais das horas, ele estava cansado. Cansado e como que assustado. Sufocado. Ele não era ele mesmo. Diante dele, as pessoas, as coisas, perdiam o peso de ser. Os lugares, o Mutúm – se esvaziavam, numa ligeireza, vagarosos. E Miguilim mesmo se achava diferente de todos. Ao vago, dava a mesma ideia de uma vez, em que, muito pequeno, tinha dormido de dia, fora de seu costume – quando acordou, sentiu o existir do mundo em hora estranha, e perguntou assustado: Uai, mãe, hoje já é amanhã?!"

Trecho de "Campo Geral" - Guimarães Rosa.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011


Oh sim

Há coisas piores do que
estar só
mas costuma levar décadas
até que o percebamos
e frequentemente
quando o conseguimos
é demasiado tarde
e nada pior
do que
ser demasiado tarde.

Charles Bukowski

sábado, 3 de setembro de 2011

Pushing me away

I've lied to you
The same way that I always do
This is the last smile
That I'll fake for the sake of being with you

Everything falls apart
Even the people who never frown
Eventually break down
The sacrifice of hiding in a lie
Everything has to end
You'll soon find we're out of time
Left to watch it all unwind
The sacrifice is never knowing

Why I never walked away?
Why I played myself this way?
Now I see you're testing me
It pushes me away

I've tried, like you
To do everything you wanted to do
This is the last time
I'll take the blame for the sake of being with you

segunda-feira, 22 de agosto de 2011


Are you missing something?
Looking for something?
Tired of everything
Searching and struggling
Are you worried about it?
Do you wanna talk about it?
Oh You're gonna get it right some time

Theres so much to be scared of
And not much to make sense of
Are you running in a circle?
You can't be too careful
And you can't relate it
'Cos it's complicated
Oh You're gonna get it right some time
You're gonna get it right some time

It's how you see the world
How many times can you see?
You can't believe what you learn

It's how you see the world
Don't you worry yourself
Your not gonna get hurt

Oooohhhhh...

Is there something missing?
There's nobody listening
Are you scared of what you don't know?
Dont wanna end up on your own?
You need conversation
And information

Ohhhhhhhhh...

Gonna get it right sometimes
You just wanna get it right sometimes

It's how you see the world
How many times have you heard?
You can't believe a word

It's how you see the world
Don't you worry yourself
'Cos nobody can learn

Oooooh
Oooooh
Ooooooooh

That's how you see the world
That's how you see the world


How you see the world - Coldplay

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Tudo passa


...e até esse pra sempre, tudo passa.

domingo, 7 de agosto de 2011


Pode chorar querida, não é um erro, é uma necessidade. Você precisa colocar pra fora toda a dor que já lhe causaram. Você está sendo forte por guardar isso tudo só pra você, nunca se julgue fraca porque você não é. E eu sei, você sabe, e todas as garotas do mundo sabem como é isso. Só continue sendo forte. (…) Não se preocupe, essa angustia que você está sentindo vai passar, a saudade vai acabar. Eu sei que agora parece que o mundo conspira contra você, mais ele gira e em um giro desses tudo pode mudar. Então não desiste, sorria. Você é mais forte do que pensa e será mais feliz do que imagina. O medo a decepção, a tristeza, a raiva são só sentimentos, são só momentos e momentos chegam ao fim. Isso chegara também. Não tem como encontrar a felicidade sem ter passado pela tristeza. Pense nisso, não é hora de se deixar abalar.

sábado, 6 de agosto de 2011

Despedida

Eu não sou daqui também marinheiro
Mas eu venho de longe
E ainda do lado de trás da terra além da missão comprida
Vim só dar despedida

Filho de sol poente
Quando teima em passear
desce de sal nos olhos doente de voltar

Filho de sol poente
Quando teima em passear
desce de sal nos olhos doente da falta que sente do mar
Vim só dar despedida

sexta-feira, 5 de agosto de 2011



Cut the cord
Are we human?
Or are we dancer?
My sign is vital
My hands are cold
And I'm on my knees
Looking for the answer
Are we human?
Or are we dancer?

The Killers - Human

quinta-feira, 28 de julho de 2011


Eu não quero ser o segundo melhor
Não quero estar sempre na mesma
Não quero ficar pra trás
Não quero ficar travado pra fora
Não quero ficar sem
E a lição que eu devo aprender
É que eu tenho que aguardar a minha vez

Parece que eu tenho que ser quente e frio
Que eu tenho que ser ensinado e ouvido
Que eu tenho que ser tão bom quanto o ouro
Mas perfeitamente honesto
Eu acho que isto seria bom pra mim
Porque isto é uma ameaça à minha saúde
Eu sou estranho pra mim mesmo

Desastre em miniaturas e pequenas catástrofes
Me põem de joelhos
Bem, eu tenho que ser meu próprio mestre
Ou um desastre em miniatura será
E isto será a minha morte

Eu não tenho que aumentar minha voz
Não tenho que ser inflexível
Só tenho que começar a entender
Que as coisas estarão em alta e em baixa
Estarão perdidas e encontradas
E eu não posso ir para o céu
Antes de eu gostar disso na terra

Eu preciso ser paciente
Eu preciso ser corajoso
Preciso descobrir
Como devo me comportar
E eu encontrarei todas as respostas
Quando eu souber o que perguntar
Mas eu falo uma língua diferente
E todos estão falando rápido demais

Desastres em miniaturas e pequenas catástrofes
Me põem de joelhos

Bem, eu devo ser meu próprio mestre
Ou um desastre em miniatura vai ser.
Eu tenho que correr um pouco mais rápido
Ou um desastre em miniatura vai ser...
Eu preciso saber se eu durarei um pouco
Enquanto uma miniatura de desastre me abala
Isto poderia ser a minha morte.


KT Tunstall - Miniature Disasters


domingo, 24 de julho de 2011




If not now, when?...

quarta-feira, 20 de julho de 2011


Look at earth from other space
Everyone must find a place
Give me time and give me space
Give me real, don't give me fake

Give me strength, reserve control
Give me heart and give me soul
Give me time give us a kiss
Tell me your own politic

And open up your eyes
Open up your eyes
Open up your eyes
Open up your eyes

Give me one, 'cause one is best
In confusion, confidence
Give me peace of mind and trust
Don't forget the rest of us
Give me strength,reserve control
Give me heart and give me soul
Wounds that heal and cracks that fix
Tell me your own politic

And open up your eyes
Open up your eyes
Open up your eyes
Open up your eyes
Just open up your eyes

But give me love over, love over, love over this, I ...
And give me love over, love over, love over this, I ...

Coldplay - Politik

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Brilho eterno de uma mente sem lembranças.



"Feliz é a inocente vestal
Esquecendo-se do mundo e sendo por ele esquecida
Brilho eterno de uma mente sem lembranças
Toda prece é ouvida, toda graça se alcança".

Alexander Pope

domingo, 17 de julho de 2011

no meio. ao meio. meio. mei. me.


O que acontece em meio a algo entreaberto?
como uma porta entreaberta, o que acontece?
o que existe entre aquele espaço aberto/fechado?
qual o termo certo: "quase fechado" ou "quase aberto"?
há alguma diferença entre eles?
será que "quase fechado" é diferente de "quase aberto" se os dois estão no meio?
o que se deve fazer frente a algo entreaberto? abrir, fechar ou deixar do jeito que está?
entreaberto.
entrefechado.
entre.
entretudo.
entrenada.
faz alguma diferença?
fechar a porta ou abrir a porta?
dentrofora?
foradentro?
faz alguma diferença?
O que acontece em meio a algo entreaberto?

segunda-feira, 11 de julho de 2011



I wanna be bigger, stronger

Drive a faster car
To take me anywhere in seconds
To take me anywhere I wanna go
And drive around a faster car

I will settle for nothing less
I will settle for nothing less

I wanna be bigger, stronger
Drive a faster car
At the touch of a button
I can go anywhere I wanna go
And drive around my faster car

I will settle for nothing less
I will settle for nothing less

I think I wanna change my attitude
I think I wanna change my attitude
I think I wanna change my ah, my atmosphere
I wanna be strong

I wanna be bigger, stronger
Drive a faster car
To take me anywhere in seconds
To take me anywhere I wanna go
And drive around my faster car

I will settle for nothing less
I will settle for nothing less

I think I need to change my attitude
I think I wanna change my attitude
I think I wanna change my ah, my atmosphere
I wanna be strong

Bigger and better
Bigger and better
Bigger and better
Bigger and better

Bigger, stronger
Drive a faster car
At the touch of a button
I can go anywhere I wanna go

bigger, stronger - Coldplay

domingo, 26 de junho de 2011



Já quis muito que tudo fosse diferente, mas hoje simplesmente sei que as coisas são exatamente do jeito que tem que ser. O rio, apesar de todas as tempestades, acabam sempre desaguando no mar. As nuvens por mais alto que subam acabam uma hora ou outra precipitando. Essa é a lógica da vida, o que é pra ser, o que é natural... sempre acontece, não importa a altura, ou a tempestade..., vai acontecer. E quando penso assim cresce uma paz aqui dentro, uma esperança de ano novo, de vida nova, que entra em contato direto com essa minha melancolia natalina (não sei se natal é melancólico pra todo mundo, mas pra mim é)... tudo isso no meio da quadra junina... eita confusão..., é assim mesmo tudo confuso..., mas no fim, as coisas sempre ficam, e se encaminham para onde devem estar, apesar do caminho tudo segue seu fluxo, seu destino, sua sina.

quinta-feira, 23 de junho de 2011


Haverá um dia em que você não haverá de ser feliz.
Sem tirar o ar, sem se mexer, sem desejar como antes sempre quis.
Você vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser.
Quando chover, deixar molhar pra receber o sol quando voltar.
Lembrará os dias que você deixou passar sem ver a luz.
Se chorar, chorar é vão porque os dias vão pra nunca mais.

Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você.
Chorar, sorrir também e depois dançar na chuva quando a chuva vem.
Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você.
Chorar, sorrir também e dançar.
Dançar na chuva quando a chuva vem.

Tem vez que as coisas pesam mais do que a gente acha que pode aguentar.
Nessa hora fique firme, pois tudo isso logo vai passar.
Você vai rir, sem perceber, felicidade é só questão de ser.
Quando chover, deixar molhar pra receber o sol quando voltar.

Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você. Chorar, sorrir também e depois dançar na chuva quando a chuva vem. Melhor viver, meu bem, pois há um lugar em que o sol brilha pra você. Chorar, sorrir também e dançar. Dançar na chuva quando a chuva vem.


Felicidade - Marcelo Jeneci

sábado, 18 de junho de 2011

sexta-feira, 10 de junho de 2011

FITCH, emily.

domingo, 5 de junho de 2011

Don't you remember?


When will I see you again?
You left with no goodbye, not a single word was said,
No final kiss to seal any seams,
I had no idea of the state we were in,

I know I have a fickle heart and bitterness,
And a wandering eye, and a heaviness in my head,

But don't you remember?
Don't you remember?
The reason you loved me before,
Baby, please remember me once more,

When was the last time you thought of me?
Or have you completely erased me from your memory?
I often think about where I went wrong,
The more I do, the less I know,

But I know I have a fickle heart and bitterness,
And a wandering eye, and a heaviness in my head,

But don't you remember?
Don't you remember?
The reason you loved me before,
Baby, please remember me once more,

Gave you the space so you could breathe,
I kept my distance so you would be free,
And hope that you find the missing piece,
To bring you back to me,

Why don't you remember?
Don't you remember?
The reason you loved me before,
Baby, please remember me once more,

When will I see you again?


Perceber aquilo que se tem de bom no viver é um dom
Daqui não, eu vivo a vida na ilusão
Entre o chão e os ares, vou sonhando em outros ares
Vou fingindo ser o que já sou, fingindo ser o que já sou
Mesmo sem me libertar, eu vou

É, Deus, parece que vai ser nós dois até o final
Eu vou ver o jogo se realizar de um lugar seguro
Seguro de que vale ser aqui
De que vale ser aqui onde a vida é de sonhar
Liberdade


Liberdade - Marcelo Camelo

sexta-feira, 3 de junho de 2011


"A gente se acostuma com tão pouco. Pouco sorriso, pouco afeto, pouca educação, pouca gentileza, pouca gente querendo ser grande, grande aliado, grande amigo, grande coração, grande vontade de que a gente dê certo. Tem também muita gente pequena se engrandecendo a toa. E quando alguém vem trazendo um pouco do seu melhor, um tanto do seu tudo, a gente se assusta por nada."

(Renata Fagundes)

domingo, 22 de maio de 2011


Eu vivo sempre no mundo da lua.

Porque sou um cientista
O meu papo é futurista
É lunatico

Eu vivo sempre no mundo da lua

Tenho uma alma de artista
Sou um gênio sonhador
E romantica

Eu vivo sempre no mundo da lua

Porque sou aventureiro
Desde o meu primeiro passo
Pro infinito

Eu vivo sempre no mundo da lua

Porque sou inteligente
Se voce quer vir com a gente
Venha que será um barato

Pega carona nessa calda de cometa
Ver a Via-Lactea, estrada tão bonita
Brincar de esconde-esconde numa nebulosa
Voltar para casa nosso lindo Balão azul

sábado, 21 de maio de 2011


Sem palavras - Móveis Coloniais de Acaju

(...)

Pensei em mil palavras, e enfim
Nenhuma das palavras coube em mim
Não vejo saída
Como vou dizer sem me calar?

Diria mudo tudo o que faz
Minha vida andar de frente para trás
Uma frase perdida
Num discurso feito de olhar

Penso, tento
Achar palavras pro meu sentimento
Tanto é pouco, nada diz
Não é triste, nem feliz

Mesmo sendo
Um pranto, um choro ou qualquer lamento
Nada importa, tanto faz
Se é pra sempre ou nunca mais

Não é medo, nem é riso
Não é raso, não é pouco, nem é oco
Não é fato, nem é mito
Não é raro, não é tolo, não é louco
Não é isso, não é rouco
Não é fraco, não é dito, não é morto
Não, não, não, não!

Eu sei que nada tenho a dizer
Pensei em mil palavras, e enfim
Seria tudo muito melhor
Pensei
Seria
Se um dia alguém puder me entender

domingo, 15 de maio de 2011

Sing it out



SING - My Chemical Romance

Sing it for the boys
Sing it for the girls
Every time that you lose it sing it for the world
Sing it from the heart
Sing it till you're nuts
Sing it out for the ones that'll hate your guts
Sing it for the deaf
Sing it for the blind
Sing about everyone that you left behind
Sing it for the world
Sing it for the world

sábado, 7 de maio de 2011

domingo, 1 de maio de 2011

So sick


Gotta change
My answering machine
Now that I'm alone

Cause right now
It says that WE
Can't come to the phone

And I know it makes no sense
Cause you walked out the door
But it's the only way
I hear your voice anymore

(It's ridiculous)
It's been months

And for some reason I just
(Can't get over us)
And I'm stronger than this
(Enough is enough)

No more walking round
With my head down
I'm so over being blue
Crying over you

And I'm so sick of love songs
So tired of tears
So done with wishing you were still here

Said I'm so sick of love songs
So sad and slow
So why can't I turn off the radio?

Gotta fix that calendar I have
That's marked July 15th
Because since there's no more you
There's no more anniversary

I'm so fed up with my thoughts of you
And your memory
And how every song reminds me
Of what used to be

That's the reason
I'm so sick of love songs
So tired of tears
So done with wishing you were still here

Said I'm so sick of love songs
So sad and slow
So why can't I turn off the radio?

(Leave me alone) Leave me alone
(Stupid love songs)

Don?t make me think about her smile
Or having my first child
I'm letting go
Turning off the radio

Cuz I'm so sick of love songs
So tired of tears
So done with wishing she was still here

Said I'm so sick of love songs
So sad and slow
So why can't I turn off the radio?

(Why can't I turn off the radio?)

Said I'm so sick of love songs
So tired of tears
So done with wishing she was still here

Said I'm so sick of love songs
So sad and slow
So why can't I turn off the radio?

(Why can't I turn off the radio?)

And I'm so sick of love songs
So tired of tears
So done with wishing' you were still here

Said I'm so sick of love songs
So sad and slow
Why can't I turn off the radio?

sábado, 30 de abril de 2011

sábado, 23 de abril de 2011

O amor acaba
Paulo Mendes Campos


O amor acaba. Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio; acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar; de repente, ao meio do cigarro que ele atira de raiva contra um automóvel ou que ela esmaga no cinzeiro repleto, polvilhando de cinzas o escarlate das unhas; na acidez da aurora tropical, depois duma noite votada à alegria póstuma, que não veio; e acaba o amor no desenlace das mãos no cinema, como tentáculos saciados, e elas se movimentam no escuro como dois polvos de solidão; como se as mãos soubessem antes que o amor tinha acabado; na insônia dos braços luminosos do relógio; e acaba o amor nas sorveterias diante do colorido iceberg, entre frisos de alumínio e espelhos monótonos; e no olhar do cavaleiro errante que passou pela pensão; às vezes acaba o amor nos braços torturados de Jesus, filho crucificado de todas as mulheres; mecanicamente, no elevador, como se lhe faltasse energia; no andar diferente da irmã dentro de casa o amor pode acabar; na epifania da pretensão ridícula dos bigodes; nas ligas, nas cintas, nos brincos e nas silabadas femininas; quando a alma se habitua às províncias empoeiradas da Ásia, onde o amor pode ser outra coisa, o amor pode acabar; na compulsão da simplicidade simplesmente; no sábado, depois de três goles mornos de gim à beira da piscina; no filho tantas vezes semeado, às vezes vingado por alguns dias, mas que não floresceu, abrindo parágrafos de ódio inexplicável entre o pólen e o gineceu de duas flores; em apartamentos refrigerados, atapetados, aturdidos de delicadezas, onde há mais encanto que desejo; e o amor acaba na poeira que vertem os crepúsculos, caindo imperceptível no beijo de ir e vir; em salas esmaltadas com sangue, suor e desespero; nos roteiros do tédio para o tédio, na barca, no trem, no ônibus, ida e volta de nada para nada; em cavernas de sala e quarto conjugados o amor se eriça e acaba; no inferno o amor não começa; na usura o amor se dissolve; em Brasília o amor pode virar pó; no Rio, frivolidade; em Belo Horizonte, remorso; em São Paulo, dinheiro; uma carta que chegou depois, o amor acaba; uma carta que chegou antes, e o amor acaba; na descontrolada fantasia da libido; às vezes acaba na mesma música que começou, com o mesmo drinque, diante dos mesmos cisnes; e muitas vezes acaba em ouro e diamante, dispersado entre astros; e acaba nas encruzilhadas de Paris, Londres, Nova Iorque; no coração que se dilata e quebra, e o médico sentencia imprestável para o amor; e acaba no longo périplo, tocando em todos os portos, até se desfazer em mares gelados; e acaba depois que se viu a bruma que veste o mundo; na janela que se abre, na janela que se fecha; às vezes não acaba e é simplesmente esquecido como um espelho de bolsa, que continua reverberando sem razão até que alguém, humilde, o carregue consigo; às vezes o amor acaba como se fora melhor nunca ter existido; mas pode acabar com doçura e esperança; uma palavra, muda ou articulada, e acaba o amor; na verdade; o álcool; de manhã, de tarde, de noite; na floração excessiva da primavera; no abuso do verão; na dissonância do outono; no conforto do inverno; em todos os lugares o amor acaba; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba.




sexta-feira, 22 de abril de 2011

Rebirth


"(And I) ride the winds of a brand new day
High where mountains stand
Found my hope and pride again
Rebirth of a man

Time to fly..."

[Angra-Rebirth]

domingo, 17 de abril de 2011

Recadinho do coração

domingo, 10 de abril de 2011



"Às vezes é preciso dormir, dormir muito. Não pra fugir, mas pra descansar a alma dos sentimentos. Quem nasceu com a sensibilidade exacerbada sabe quão difícil é engolir a vida. Porque tudo, absolutamente tudo devora a gente. Inteira."

(Marla de Queiroz)

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Running around again

domingo, 3 de abril de 2011


O meu problema, meu bem, é a saudade. Eu sei que já estamos cansados de falar de saudade; mas é isso. Não há nada mais para explicar. Eu sinto saudade. E às vezes eu acho que sou só isso. Que toda aquela confusão de sentimentos já acabou; que tudo ficou frio, limpo, resumido a uma coisa só: saudade. Eu sinto saudades de tudo, sinto saudades de qualquer coisa, sinto saudades do que não vivi. Me disseram que isso é um lugar-comum, mas é a verdade. E eu continuo me perguntando: como é que alguém pode viver sentindo saudades daquilo que não viveu? Eu não tenho uma resposta. Eu gostaria de ter, gostaria muito de ter, mas não tenho. Só sei que isso é possível porque eu estou aqui. Ou pelo menos acredito que estou. Saudade é algo tão pequeno, tão mesquinho; deve ser por isso o eco em meu pensamento, o eco tão comum de lugares vazios, o eco tão comum na solidão. A saudade é só.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Polaroid

domingo, 20 de março de 2011


Ando no escuro para tocar onde não devo. Amor é tocar onde não se deve. E curar sem entender a doença.


[Carpinejar]

quinta-feira, 17 de março de 2011



If God is a DJ
Life is a dance floor
Love is a rythm
You are the music


Pink - God is a DJ

quarta-feira, 16 de março de 2011


Meu maior medo é viver sozinho e não ter fé para receber um mundo diferente e não ter paz para se despedir. Meu maior medo é almoçar sozinho, jantar sozinho e me esforçar em me manter ocupado para não provocar compaixão dos garçons. Meu maior medo é ajudar as pessoas porque não sei me ajudar. Meu maior medo é desperdiçar espaço em uma cama de casal, sem acordar durante a chuva mais revolta, sem adormecer diante da chuva mais branda. Meu maior medo é a necessidade de ligar a tevê enquanto tomo banho. Meu maior medo é conversar com o rádio em engarrafamento. Meu maior medo é enfrentar um final de semana sozinho depois de ouvir os programas de meus colegas de trabalho. Meu maior medo é a segunda-feira e me calar para não parecer estranho e anti-social. Meu maior medo é escavar a noite para encontrar um par e voltar mais solteiro do que antes. Meu maior medo é não conseguir acabar uma cerveja sozinho. Meu maior medo é a indecisão ao escolher um presente para mim. Meu maior medo é a expectativa de dar certo na família, que não me deixa ao menos dar errado. Meu maior medo é escutar uma música, entender a letra e faltar uma companhia para concordar comigo. Meu maior medo é que a metade do rosto que apanho com a mão seja convencida a partir com a metade do rosto que não alcanço. Meu maior medo é escrever para não pensar.


(Carpinejar)

segunda-feira, 14 de março de 2011

Pior sem tigo.


Alguns dias são um desastre que você queria que acabassem,
outros dias são uma porcaria, como um mau namorado,
mas o que me deixa pior que isso é ver sua cara fechada.
Não estou te mandando sorrir, mas não fique mal.
Não fique mal, minha amiga.
Não faça nada de ruim com seu pulso!
Você não pertence a uma fazenda engraçada.
Prefiro te ver em um vestido de festa que em uma roupa de hospital.
Não estou te mandando sorrir, mas não fique triste, não fique triste.

Pandora Moon
(Skins S04E09)

domingo, 13 de março de 2011


Tente. Sei lá, tem sempre um pôr-do-sol esperando para ser visto, uma árvore, um pássaro, um rio, uma nuvem. Pelo menos sorria, procure sentir amor. Imagine. Invente. Sonhe. Voe.


Caio F.

sábado, 12 de março de 2011


I was scared, I was scared

Tired and underprepared
But I waited for it
If you go, if you go
Then leave me down here on my own
Then I'll wait for you


"Na verdade nada é uma palavra esperando tradução."

sexta-feira, 11 de março de 2011


Sometimes I wish for falling, wish for the release
Wish for falling through the air to give me some relief
Because falling's not the problem, when I'm falling I'm at peace
It's only when I hit the ground it causes all the grief


Florence and The Machine-Falling

sábado, 5 de março de 2011


Você tem cheiro de roupa limpinha com mente suja e eu quero te rasgar inteiro. Mas apenas te dou um beijinho no rosto. Preciso me comportar.


Tati Bernardi

sexta-feira, 4 de março de 2011


"Deveria fazer diferença quando alguém te ama. Não deveria?"

domingo, 27 de fevereiro de 2011

ABC do amor...



sábado, 26 de fevereiro de 2011


É..., tenho que concordar meus dias são lindos ao teu lado, é tenho que admitir eu sou feliz com você, e é eu sei que você é um caminho incerto, mas bonito demais...

E nessa incerteza, só continue sorrindo e me fazendo rir de tudo..., somos felizes juntos, é o que importa, não?

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

On the other side